Palácio da Pena: um lindo lugar cheio de história

O Palácio da Pena é um castelo romântico em São Pedro de Penaferrim, no concelho de Sintra, Portugal. O castelo fica no topo de uma colina nas montanhas de Sintra e num dia claro pode ser facilmente vista a cidade de Lisboa e grande parte da sua área metropolitana.

É um monumento nacional e constitui uma das principais expressões do Romantismo do século XIX no mundo. O palácio é um Património Mundial da UNESCO e uma das Sete Maravilhas de Portugal. É também utilizado para ocasiões estatais pelo Presidente da República Portuguesa e por outros funcionários do governo.

Um pouco de história do Palácio da Pena

Inícios do Palácio

A história do castelo começa na Idade Média quando uma capela dedicada a Nossa Senhora da Pena foi construída no topo da colina acima de Sintra. Segundo a tradição, a construção ocorreu após uma aparição da Virgem Maria.

Em 1493, o Rei João II, acompanhado da sua esposa, a Rainha Leonor, fez uma peregrinação ao local para cumprir um voto. O seu sucessor, D. Manuel I, também gostava muito deste santuário e ordenou a construção de um mosteiro neste local, que foi doado à Ordem de São Jerónimo. Durante séculos a Pena foi um lugar pequeno e calmo para a meditação, abrigando um máximo de dezoito monges.

No século XVIII o mosteiro foi severamente danificado por relâmpagos. No entanto, foi o Grande Terremoto de Lisboa de 1755, que ocorreu pouco depois, que tomou  danificou o mosteiro, reduzindo-o a ruínas. Porém, a capela (e as suas obras de mármore e alabastro atribuídas a Nicolau Chanterene) escaparam sem danos significativos.

O Príncipe Fernado

Por muitas décadas as ruínas permaneciam intocadas, mas ainda assim espantaram ao príncipe Fernando. Em 1838, como rei,  decidiu adquirir o antigo mosteiro, todas as terras ao redor, o castelo dos moros e algumas outras propriedades próximas na área.

Assim sendo, o Rei Fernando II então começou a transformar os restos do mosteiro num palácio. Este serviria como residência de verão para a família real portuguesa.

A construção ocorreu entre 1842-1854, embora estivesse quase concluída em 1847. O Rei Fernando e a Rainha Maria II intervieram decisivamente em questões de decoração e simbolismo. Entre outros, o rei sugeriu a inclusão de arcos abobadados, elementos medievais e islâmicos. Assim como também desenhou uma janela ornamentada para a fachada principal.